Skip to Content

Acordo garante rescisão contratual de 827 cortadores mantidos como escravos

  • user warning: Table 'ranp3.scheduler' doesn't exist query: SELECT * FROM scheduler WHERE nid = 10020 in /data/ranp/public_html/sites/all/modules/scheduler/scheduler.module on line 497.
  • warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

(1’23” / 324 Kb)  – Os 827 cortadores de cana encontrados em condições semelhantes à escravidão no município de Naviraí (MS) conquistaram o direito de rescindir seus contratos com a Infinity Agrícola. Procuradores do Trabalho no estado entraram com uma Ação Civil Coletiva solicitando o pagamento de indenizações. O acordo foi firmado na última quarta-feira (27) em uma audiência de conciliação.

O episódio gerou polêmica quando no início de julho a juíza Marli Lopes Nogueira, da 20ª Vara do Trabalho do Distrito Federal, suspendeu o resgate desses trabalhadores, que era promovido por um grupo móvel do Ministério do Trabalho. Na decisão, ela atendeu ao pedido de liminar da empresa Infinity, concordando com a tese de que a interdição dos auditores do trabalho estava causando “prejuízos irreversíveis” à empresa.

Após essa suspensão, houve diversas determinações, que passaram pelo Tribunal Regional do Trabalho – o qual restaurou a fiscalização dos auditores –, e também pelo Tribunal Superior do Trabalho – que desautorizou os fiscais novamente.

Entre os trabalhadores envolvidos, estão 285 indígenas das etnias Guarani-Kaiowa, Guarani-Nhandeva e Terena. O restante é composto por migrantes de estados do Nordeste e de Minas Gerais.

De São Paulo, da Radioagência NP, Vivian Fernandes.

01/08/11