Skip to Content

Automóveis trarão problemas de países desenvolvidos ao Brasil

  • user warning: Table 'ranp3.scheduler' doesn't exist query: SELECT * FROM scheduler WHERE nid = 9133 in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/scheduler/scheduler.module on line 497.
  • warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data_cpro6462/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.
  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

(5'57'' / 1.36 Mb) - As doenças respiratórias e cardiovasculares relacionadas à poluição são responsáveis por 800 mil mortes anuais em todo o mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A maior parte desses casos ocorre nas grandes cidades, devido à quantidade de gases emitidos pela queima de combustíveis fósseis. Somente na cidade de São Paulo, que possui um carro para cada dois habitantes, quase dez pessoas morrem diariamente como consequência da poluição.

Recentemente, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) anunciou que nos primeiros oito meses de 2010 foram produzidos quase 2,5 milhões de automóveis no Brasil. Atualmente, o setor emprega mais de 132 mil trabalhadores. As concessionárias esperam que até o final do ano, 3,4 milhões de unidades sejam vendidas. A frota nacional já possui 35 milhões de veículos.

Em entrevista à Radioagência NP, Thiago Benicchio, diretor da Associação dos Ciclistas Urbanos (Ciclocidade), alerta que o Brasil precisa romper a dependência econômica com a indústria automobilística. Ele defende políticas públicas que possam desestimular o uso de automóveis individuais e analisa as medidas adotadas em países que não suportaram conviver com esse tipo de transporte.

Radioagência NP: Thiago, é possível falar em investimentos em transporte público em um momento em que as montadoras estão anunciando recordes na produção de automóveis?

Thiago Benicchio: As montadoras de automóveis estão anunciando recordes de produção aqui no Brasil e em outros países que ainda não passaram pela saturação de carros. Estados Unidos, países da Europa e até mesmo o Japão já passaram por isso. Não só a saturação em termos de quantidade, mas a saturação de recursos públicos que são investidos para manter essa estrutura que é necessária para o automóvel circular. O Japão, recentemente, cortou todo tipo de incentivo à indústria automobilística. Na Dinamarca, o litro de gasolina custa cerca de U$ 15. Isso é feito através de impostos que são cobrados em cima da venda de combustível.

RNP: Como romper com essa dependência, se a indústria automobilística oferece mais de 130 mil postos de trabalho?

TB: De certa forma a nossa economia é muito dependente da indústria automobilística. Mas ela gera uma ‘deseconomia’ para os cofres públicos gigantesca. Seja no custo da saúde, no custo do congestionamento, das mortes no trânsito e dos recursos naturais que estamos extraindo. Enfim, tem uma série de custos indiretos com relação ao uso e produção excessiva de automóveis que não são contabilizados na balança econômica. Existem os salários e impostos que são pagos – boa parte deles subsidiados pelo governo –, mas o lucro da indústria automobilística vai para o país de origem da indústria.

RNP: O rodízio de automóveis em São Paulo já é considerado atrasado. O pedágio urbano é uma alternativa viável?

TB: Eu não sou a favor do pedágio urbano porque o principal congestionamento é causado por pessoas do centro que está expandido, e não pelas pessoas que vêm de fora. Essas pessoas necessitam mais do carro do que as pessoas que estão circulando nos bairros centrais e geralmente fazem deslocamentos de cinco a sete quilômetros utilizando o automóvel.

RNP: O que fazer para melhorar a mobilidade, sobretudo no centro da cidade?

TB: Existem várias medidas que podem ser tomadas, partindo desse princípio de que a gente deve estimular o uso das outras formas de transporte e desestimular o uso do automóvel, criando barreiras, impedimentos e dificultando. Hoje é muito injusto, as pessoas que estão no ônibus, na bicicleta e a pé têm mais dificuldades para se locomover do que a pessoa que está no automóvel.

RNP: Todo mês de setembro ocorre o “Dia Mundial sem Carro” em 40 países. Qual o objetivo dessa mobilização?

TB: O Dia Mundial sem Carro é uma data internacional cujo principal objetivo é promover a reflexão na sociedade a respeito do uso excessivo dos automóveis e da distribuição dos recursos, do espaço e do interesse público pela promoção dos outros meios de transporte. O Dia Mundial sem Carro é um momento de refletir até que ponto estamos utilizando demais ou não o automóvel.

RNP: Como é a participação da administração pública nos municípios que aderiram campanha?

TB: A administração pública poderia ou deveria fechar ruas na região central para que as pessoas consigam circular melhor e para que aqueles que têm automóveis, não terem acesso a esses locais e buscarem outras alternativas. Outras medidas que podem ser tomadas e são sugeridas é o estímulo ao transporte público, seja com a redução ou isenção de tarifas ou criação de novas linhas de ônibus.

De São Paulo, da Radioagência NP, Jorge Américo.

23/09/10