Skip to Content

Pela primeira vez, acusados de matar índio estão no banco dos réus

  • user warning: Table 'ranp3.scheduler' doesn't exist query: SELECT * FROM scheduler WHERE nid = 9479 in /data/ranp/public_html/sites/all/modules/scheduler/scheduler.module on line 497.
  • warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

(1'37'' / 382 Kb) - Os acusados de assassinar um indígena no Mato Grosso do Sul irão para o banco dos réus. É o primeiro julgamento por esse tipo crimes contra índios no estado. Estevão Romero, Carlos Roberto dos Santos e Jorge Cristaldo Insabralde serão julgados no dia 21 de fevereiro. Eles são acusados pelo assassinato do cacique Guarani-Kaiowá Marcos Veron, ocorrido em janeiro de 2003, no município de Juti.

A vítima tinha 73 anos e pertencia a um grupo de indígenas que estava acampado na Fazenda Brasília do Sul. Na ocasião, um grupo de aproximadamente 40 homens foi contratado pelo proprietário Jacinto Honório da Silva Filho para expulsar os Kaiowá. No dia 13 de janeiro daquele ano, o acampamento foi invadido e Veron morreu depois de levar socos, pontapés e coronhadas na cabeça.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), os três acusados respondem por “homicídio duplamente qualificado por motivo torpe e meio cruel, tortura, seis tentativas qualificadas de homicídio, seis crimes de sequestro, fraude processual e formação de quadrilha”. Outras 24 pessoas foram denunciadas por envolvimento no crime.

A pedido do MPF, o Tribunal do Júri foi transferido para a cidade de São Paulo. O objetivo é evitar que a decisão dos jurados sofra influência social e econômica dos envolvidos no crime. O fazendeiro Jacinto Honório é acusado de aliciar as testemunhas para mudar seus depoimentos e inocentar os seguranças.

De São Paulo, da Radioagência NP, Jorge Américo.

17/02/111