Skip to Content

Poló da Borborema: trincheira da agricultura familiar

warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

(2'33'' /600 Kb) - Organizações de pequenos agricultores se associaram em 1993 para implantar no agreste do Paraíba um novo modelo de produção e consumo.(2'43'' / 638 Kb) - A região da Serra da Borborema, na Paraíba, é sinônimo de renda e autonomia de pequenos produtores rurais. A consolidação da agricultura familiar, praticada em pequenas propriedades, já era exercitada na região, historicamente fornecedora  de alimentos para o estado.

Com os latifundiários explorando a cana-de-açúcar no litoral e a pecuária no sertão, o agreste ofereceu suas terras para a plantação de alimentos. Ali, os pequenos agricultores desenvolveram suas plantações, atividades comerciais e resistiram bravamente contra a ameaça de perderem suas terras para as grandes empresas do campo.

Em 1993, três sindicatos de trabalhadores rurais, representantes das famílias agricultoras, organizaram o movimento político dos camponeses para consolidarem o território da agricultura familiar na região. Assim, surgiu o Pólo Sindical e das Organizações da Agricultura Familiar da Borborema, ou simplesmente, Pólo da Borborema. Hoje responsável por organizar uma das principais trincheiras da agricultura familiar no Brasil.

Dezessete anos depois, o território da agricultura familiar na região alcança 15 municípios. O Pólo da Borborema representa 15 sindicatos de trabalhadores rurais e 150 organizações camponesas. Nos campos são produzidos macaxeira, variedades de feijão, milho, genipapo, coentro, pimentão. O excedente é escoado para oito feiras agricológicas que, no último ano, renderam mais de R$ 680 mil. Um valor de R$ 264 mil a mais do que 2008.

Cabe aos agricultores selecionarem as sementes nativas da região, planejarem a estocagem da água para a plantação e preparem as bases para uma agricultura de alimentos sem uso algum de agrotóxico. Organizaram também a gestão de recursos coletivos por meio dos chamados fundos rotativos solidários, uma espécie de poupança administrada pelos próprios camponeses. Com isso, hoje não falta dinheiro para manter a infra-estrutura da propriedade, comprar animais de criação e investir em outros bens.

A equipe da Radioagência NP preparou uma série especial sobre a organização desses agricultores. Acreditamos ser de interesse dos brasileiros saber que existe no Brasil uma agricultura praticada sem uso de venenos, em pequenas propriedades e valorizando a cultura local. Bom programa para você!

Programas:

Avanço da agricultura familiar

Banco de Sementes: independência do pequeno agricultor

Combate com o agronegócio: a expulsão da Souza Cruz

Soberania alimentar e o papel das mulheres na agricultura

Conhecimento popular e controle da mosca-negra

O que esperar da agricultura familiar no próximo período?

 

Ficha técnica:

Produção e entrevistas: Aline Scarso.

Texto: Aline Scarso.

Revisão: Danilo Augusto e Jorge Américo.

Sonoplastia: Adilson Oliveira e Jorge Mayer.

Música: Carcará – João do Vale.

Locução: Danilo Augusto e Jorge Américo.