Skip to Content

O dia 17 de abril

  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Clique aqui para ouvir (11´10´´ / MP3) - Localizado na Região Norte e com uma área equivalente a 16% do território nacional, o Pará é o estado líder na violência no campo. Nos últimos 30 anos mais de 700 trabalhadores rurais foram assassinados, devido a disputas por terra. A polícia concluiu o inquérito em apenas 11 dos casos, segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT). Entre eles, o do assassinato de 19 agricultores sem terra pela Polícia Militar, conhecido como Massacre de Eldorado dos Carajás, que completa uma década este ano.

“A polícia veio, fez covardia com ‘nóis’, matou nossos companheiros” (Antonio Alves de Oliveira, 46 anos, tiros na perna)

“Aquele dia foi sofrido. Eu não estava nem acredita”, (Raimunda Conceição Almeida, 62 anos, viúva de Leonardo Batista Almeida)

“É uma coisa que jamais vai sair da memória da gente. Fica gravado. E acho que jamais ele pode ser esquecido” (José Sebastião de Oliveira, 57 anos, tiro na perna)

No dia 05 de novembro de 1995, mais de 1.500 famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocuparam a Fazenda Macaxeira, no município de Eldorado dos Carajás, no sul do estado. Segundo o movimento, a terra era usada somente para pasto pelo proprietário Plínio Pinheiro. Mesmo assim, era considerada produtiva pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Após cinco meses sem respostas sobre a desapropriação da área, as famílias iniciaram uma marcha rumo à Marabá.

“Sempre dá um calafrio quando passo no lugar onde levei os tiros e vi os companheiros sendo baleados” (Domingos Reis da Conceição, 30 anos, tiros na perna)

“Nós não queria guerra não. Nós ‘queria’ era terra pra trabalhar” (José Agarito, 28 anos, tiro no olho. Bala alojada no cérebro ainda hoje)

“Foi a agonia mais triste do mundo. Cada dia que eu relembro aquilo parece que eu estou vivendo na hora” (Dalgisa Dias de Sousa, 50 anos, pancada no pescoço)

O dia do massacre

Em 17 de abril de 96, após nove dias de caminhada, sem comida e cansadas, as famílias bloquearam a rodovia PA-150, no trecho conhecido como curva do “S”. As negociações por alimento e transporte foram interrompidas pela decisão do governo do estado de liberar a estrada “a qualquer custo”. Para isso o então governador Almir Gabriel (PSDB) acionou a Polícia Militar. Dez anos depois, a equipe da Agência Notícias do Planalto foi ao local do massacre ouvir os diversos envolvidos no caso.

“Os ônibus chegaram cheios de polícia. Não teve conversa não. Chegaram mesmo jogando bomba. Foi tiroteio” (José Agarito)

Dagisa Dias e família / Foto: Nina Fideles “A polícia começou a se preparar, como se fosse para um combate. Corriam com as armas, mostravam, apontavam se ajoelhavam e nós olhando. Fechamos todas as portas e ficamos olhando pelas brechas” (Miguel Pontes, 42 anos, tiro na perna)

“De acordo com eles mesmos era dar tiro em vivo ou morto. Quando ‘se’ demos conta, era bala pra cima de bala e nego caindo morto” (Meirton Germiniano, 29 anos, tiros na perna)

De um lado o batalhão da cidade de Parauapebas comandado pelo Major José Maria Pereira de Oliveira. Do outro, o Coronel Mário Collares Pantoja e seus soldados de Marabá. Os sem-terra estavam cercados por 155 policiais fortemente armados.

“O finado Amâncio surdo chegou lá pra frente. Aí o policial atirou nele. Na hora que ele caiu, atirou na cabeça dele. Resultado: 19 mortos, 69 feridos, peguei um tiro de fuzil aqui, fratura exposta” (Domingos Reis da Conceição)

“Eu já tinha tomado 9 tiros” (Avelino Germiniano, 51 anos)

“Tomei uma bala na perna...peguei outro tiro na perna de novo” (Meirton Germiniano)

“Levei uma pancada no pescoço (Dalgisa Dias de Sousa)

Fim da chacina

Encerrado o massacre, o cenário era de guerra. A equipe de reportagem da TV Liberal, presente no local, gravou a execução dos trabalhadores. Imagens que percorreram o mundo e chocaram a opinião pública. Seu Antônio Venceslau da Conceição, 61 anos, que mora ainda hoje na curva do “S”, chegou logo após as rajadas. “Foi um sofrimento a noite todinha. O pessoal ficava gritando aqui. Quem não estava baleado estava quietinho que não podia se mexer. Para todo o canto um gritava: ‘me faz socorro, estou com a perna quebrada, não posso sair’. Era pai chamando o filho. Filho chamando o pai. Irmão chamando irmão. A mãe chamando os filhos. Filho chamando mãe. Marido chamando a mulher. Sobrinho chamando tio...”, conta Seu Antônio.

Nenhum policial foi morto e apenas um ficou ferido. Enquanto que o comando policial contabilizou oficialmente seis homens sem-terra mortos após a ação. Já no Instituto Médico Legal (IML) chegaram 19 corpos, número ainda questionado pelos sobreviventes, segundo Antônio Alves de Oliveira, o Índio, uma das 69 pessoas feridas.”Lá no dia a polícia apresentou 19, só que na minha idéia foi bem mais gente. É difícil você dar rajada de bala onde tem mulher, criança e homem, e morrer só homem. Um dia alguém vai descobrir. Deve ter morrido criança, mulher... Rajada de bala pra atingir só homem é complicado”, contesta.

Além do número oficial de mortos que é contestado, as ocasiões dos assassinatos também geram polêmicas. De acordo com médico-legista Nelson Massini, indicado para o caso pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal, a maioria das vítimas foi executada com tiros na nuca, tórax, cabeça. Para ele foi um massacre típico, com uso de força desnecessária, imobilização das vítimas, seguida de execução sumária. Os que fugiram eram recapturados para serem liquidados. “Os sem-terra não morreram em confronto, morreram subjugados e imobilizados nas mãos da Polícia Militar”, afirmou Massini. Esta tese é reafirmada por Carlos Guedes, advogado do MST que acompanhou o caso.

“Dos 19 mortos, pelo menos 13, de forma inquestionável foram executados após encerrada a operação policial. Isso foi demonstrado de forma muito segura no processo. Então as pessoas acham que o policial agiu de forma truculenta, irresponsável, atirou de forma maciça e acabou matando 19 pessoas. Não, não foi isso. O resultado desta ação truculenta foi 6 mortes e outras 13 pessoas foram executadas depois de feridos e imobilizados”, diz Guedes.

Caixões com os 19 sem-terra mortos/Foto: João RipperApós três séries de julgamentos conturbados e um deles anulado, o resultado hoje é: 144 agentes da polícia absolvidos e os comandantes das tropas condenados. Ninguém está preso, pois o Major Oliveira e o coronel Pantoja recorrem a sentença em liberdade. Nem o ex-governador Almir Gabriel, nem o então secretário de Segurança Pública, Paulo Sette Câmara, sentaram no banco dos réus e sequer foram envolvidos formalmente no caso. Além de 69 sem-terra mutilados, três pessoas morreram em decorrência dos ferimentos nos últimos anos, elevando o número oficial de mortos para 22.

Depoimento de sobrevivente do massacre:
Eu sou Dalgisa Dias de Souza, sobrevivente do Massacre de Eldorado dos Carajás. Até hoje vivo na luta graças a Deus e por tudo que passamos quero resistir. Eu quero que aconteça justiça, porque nosso sangue foi derramado.


Leia e ouça todos os programas da série especial "Massacre de Eldorado dos Carajás: 10 anos depois":

Programa 1 - O dia 17 de abril. Sobreviventes relatam histórico do Massacre

Programa 2 - Impunidade no caso. Passo-a-passo das investigações e julgamentos do crime

Programa 3 - O Massacre continua: mutilados e famílias das vítimas. Sofrimento e luta por indenização e assistência médica

Programa 4 - A vida dos sem-terra: Assentamento 17 de Abril. As conquistas hoje das 690 famílias

Programa 5 - Estado e latifúndio como patrocinadores da violência. Os assassinatos no Pará e as ações do poder público e fazendeiros

Programa 6 - Vergonha para o Brasil. Repercussão nacional e internacional

Programa 7 - Agronegócio: progresso ou destruição?. O modelo de produção, trabalho escravo e conflitos por terra

Programa 8 - A polêmica reforma agrária na Amazônia. Especialistas debatem desconcentração da terra e da renda

Ficha técnica
Enviadas especiais ao Pará: Beatriz Pasqualino e Nina Fideles
Produção: Sofia Prestes
Sonoplastia: Leandro Gregorine
Diagramação gráfica no CD: Caroline Siqueira Gomide
Fotos no CD e na página da ANP na internet: Nina Fideles e Beatriz Pasqualino
Foto de capa do CD: Sebastião Salgado

Agradecimentos especiais

Assentamento 17 de Abril, Raimundo negociador, Isabel, Dimas, Maria José e crianças, Antônio Índio, Guto e Edson, Carlinhos (Rádio Resistência FM), Gouveia, Pepe, Sueli e Glauco, equipe ANP.

Comentários

good jual aborsi

postingan yang baik  Jual Obat Aborsi . Saya baru Yang Belajar Sesuatu  aborsi Obat  dan DI menantang  Obat Penggugur Kandungan  blog Saya StumbleUpon SETIAP hari  Aborsi . Suami Akan Selalu menarik untuk review membaca Konten Dari Penulis lain Dan menggunakan  Wajah Kandungan menggugurkan  Dan  Cara Aborsi Sendiri  Sedikit Sesuatu Dari mereka  Klinik aborsi  Andari Telah menulis Bagus Jual obat asli aborsi  posting, Saya akan bookmark Penyanyi cytotec Wajah beli  Halaman, terima kasih untuk info. Sebenarnya Saya Sendiri menghargai Andari  pil penggugur Kandungan  POSISI dan saya akan Datang untuk review Kembali pastikan here.his Adalah postingan Benar-Benar Baik. Berjalan Harus mengakui Itu Adalah Salah satu yang Terbaik blogger Saya Telah membaca Dari  harga Cytotec  Terima kasih untuk postingan Informatif Artikel ini  obat aborsi Murah  . Andari mungkin havce Banyak  obat aborsi , Serta  aborsi . Terima kasih untuk MENYEDIAKAN  Jual obat aborsi  Informasi Dari Andari  Obat Aborsi di Apotik . PADA Kebaikan Obat penggugur apotik di situs hati Hasil pencarian  obat telat bulan . Nah, Terima kasih Banyak  cytotec  untuk review seperti postingan Indah Penggugur Kandungan, Yang Hal-Hal Diposting Yang Benar-Benar  obat aborsi 1 bulan  Yang menarik Dan berguna.        Wajah Pesan obat aborsi                 Cara menggugurkan KandunganSulawesi Tenggara obat aborsi      Obat aborsi di BaliObat Aborsi di yogyakarta             obat aborsi di bandungObat Aborsi di Banten                   barat obat aborsi PapuaPenjual obat aborsi jakarta            Obat aborsi di makassarObat aborsi di Gorontalo               obat aborsi Sumatera UtaraObat aborsi di Surabaya                Obat Aborsi riauObat aborsi Papua Barat               obat aborsi di MedanJual obat aborsi Kandungan          Ciri CIRI cytotec cytotec asli Dan PalsuObat aborsi kalimantan timur          obat aborsi DI Kalimantan TIMUR

Obat Aborsi

posting yang baik  Jual Obat Aborsi . Saya belajar sesuatu yang baru  aborsi Obat  dan menantang di  Obat Penggugur Kandungan  blog saya StumbleUpon setiap hari  Aborsi . Ini akan selalu menarik untuk membaca konten dari penulis lain dan menggunakan  Wajah Kandungan menggugurkan  dan  Cara Aborsi Sendiri  sedikit sesuatu dari mereka  Klinik aborsi  Anda telah menulis bagus Jual obat asli aborsi  posting, saya akan bookmark ini cytotec wajah beli  halaman, terima kasih untuk info. Sebenarnya saya menghargai Anda sendiri  pil penggugur Kandungan  posisi dan saya akan pastikan untuk datang kembali here.his adalah posting benar-benar baik. Harus mengakui Itu Anda adalah salah satu blogger terbaik yang saya telah membaca dari  harga Cytotec  Terima kasih untuk posting artikel informatif ini  obat aborsi Murah  . Anda mungkin havce banyak  obat aborsi , serta  aborsi . Terima kasih untuk menyediakan  Jual obat aborsi  informasi dari Anda  Obat Aborsi di Apotik . Pada kebaikan Obat penggugur di apotik situs dalam hasil pencarian  obat telat bulan . Nah, Terima kasih banyak  cytotec  untuk seperti posting indah Penggugur Kandungan, hal-hal yang diposting Yang benar-benar  obat aborsi 1 bulan  yang menarik dan berguna.Wajah Pesan obat aborsi                 Cara menggugurkan Kandunganobat aborsi Sulawesi Tenggara      Obat aborsi di BaliObat Aborsi di yogyakarta             obat aborsi di bandungObat Aborsi di Banten                   obat aborsi barat PapuaPenjual obat aborsi jakarta            Obat aborsi di makassarObat aborsi di Gorontalo               obat aborsi Sumatera UtaraObat aborsi di Surabaya                Obat Aborsi riauObat aborsi Papua Barat               obat aborsi di MedanJual obat aborsi Kandungan          Ciri CIRI cytotec cytotec asli Dan Palsu