Skip to Content

O petróleo e as novas fontes renováveis

  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Clique aqui para ouvir(5'59'' / 1,36 Mb) - Buscar novas fontes energéticas para preservar o meio ambiente, respeitar as comunidades rurais impactadas pelas atividades de extração do petróleo, além de repensar o papel imperialista que a Petrobras cumpre nos países vizinhos estão entre os temas levantados pela campanha “O petróleo tem que ser nosso”.


A matriz energética baseada na queima de combustíveis fósseis causa um grave impacto no planeta. É o caso das fontes não renováveis, como o petróleo, gás e carvão. Desde 2007, 2,5 mil cientistas de quase 200 países avaliam que, devido à emissão de gás carbônico na atmosfera, a temperatura do planeta terra aumentou em quase um grau. As consequências são graves: até 2030, seriam necessários dois planetas terra para suportar a poluição decorrente da queima, principalmente dos hidrocarbonetos. No atual ritmo de destruição da Amazônia, a temperatura na região pode subir seis graus até 2070.

 Por conta disso, na definição do integrante da central Intersindical, Anderson Mancuso, estamos em uma corrida contra o relógio. Para ele, é importante, entre as bandeiras da campanha, o desenvolvimento de fontes energéticas renováveis.

“Porque ela [a bandeira] aumenta o objetivo da luta. Além de assegurar o controle social da produção do petróleo pela população, ela engloba aspectos que envolvem diretamente a continuidade da vida da humanidade no planeta. Isso passa necessariamente pela busca de novas alternativas energéticas limpas e seguras que vão além do petróleo. Nisso entraria outras matrizes, como a eólica e a solar, que até estão sendo boicotadas.”

De acordo com especialistas, o petróleo ainda permanece como a mais importante base energética do planeta, responsável por metade da energia queimada, quadro que deve se estender por mais 30 anos. De olho nas gerações futuras, desde já as organizações sociais defendem que os recursos do petróleo da camada pré-sal sejam investidos em novas matrizes. São exemplos disso a energia solar, a energia que vem dos ventos, dos mares e a energia a partir dos alimentos. Esta última, porém, deve ser gerada em cultivos sob controle dos pequenos agricultores, atendendo à sua necessidade.

 Neste sentido, na leitura do integrante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Joceli Andrioli, o atual modelo de produção de energia deve ser modificado, pois, atualmente, favorece aos interesses privados e não à necessidade do povo. No caso da energia elétrica, no Brasil, 665 grandes empresas consomem 30% da energia produzida.

“O modelo energético está totalmente voltado às formas que destroem o meio ambiente e que garantem uma lógica da exploração do trabalho e das pessoas. A riqueza não é distribuída, fica concentrada nas mãos das empresas privadas e de alguns centros econômicos. Achamos que deve haver uma mudança do modelo social. Na medida em que tiver um novo princípio de organizar a vida humana, haverá também técnicas mais justas ambientalmente a serviço do ser humano.”

A campanha “O Petróleo tem que ser nosso” lança um olhar crítico sobre o papel que a empresa Petrobras tem desempenhado em outros países do mundo, considerado o de uma empresa transnacional. Na Bolívia, a Petrobras explora o último recurso do país – que já teve recursos como o estanho e o cobre praticamente roubados. A empresa brasileira é responsável por 15% do Produto Interno Bruto (PIB) dos bolivianos. No Equador, no Paraguai e em 27 países, esta triste história se repete.

 Na avaliação de Andrioli, a ótica da campanha e do movimento popular é outra.

“Nós sabemos que a Petrobras assume um papel imperialista na America Latina e tem uma postura de empresa privada que busca lucro acima de tudo. Essa forma destrói o meio ambiente, causa exploração dos trabalhadores e prejudica a soberania dos países. Temos que ter uma empresa sob o controle dos trabalhadores, popular e que esteja a serviço da causa popular. Para termos essa empresa, temos que quebrar essa postura de multinacional exploradora de recursos e das populações.”

A única forma de manter os bens naturais é planejar a indústria pensando no bem-estar do povo e na soberania do país, avalia o Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB).

Leia e ouça todos os programas da série especial "O petróleo tem que ser nosso":

Programa 1 - Petróleo no Brasil: memória de lutas populares

Programa 2 - Pré-sal, uma riqueza desconhecida em risco

Programa 3 - As reservas de petróleo e a luta por soberania nacional

Programa 4 - Fundo Social Soberano nas mãos do povo brasileiro

Programa 5 - Uma outra inserção do Brasil no contexto mundial

Programa 6 - O petróleo e as novas fontes renováveis

Programa 7 - Mobilização: um caminho para o povo brasileiro 


Ficha técnica

Coordenação:
Danilo Augusto

Revisão de conteúdo:
Ana Maria Amorim, Aline Scarso, Desirèe Luíse e Pedro Carrano

Reportagem:
Pedro Carrano

Vinhetas:
Dafne Melo e Nilton Viana

Sonoplastia:
Adílson Oliveira e Jorge Mayer

Locução:
Ana Maria Amorim e Pedro Carrano