Skip to Content

Nova exploração de Serra Pelada deve gerar R$ 3 bilhões

  • user warning: Table 'ranp3.scheduler' doesn't exist query: SELECT * FROM scheduler WHERE nid = 8482 in /data/ranp/public_html/sites/all/modules/scheduler/scheduler.module on line 497.
  • warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

(1'58'' / 462 Kb) - Sonho de muitos garimpeiros na década de 80, o garimpo de Serra Pelada será reaberto para a exploração no município de Curionópolis, no Pará. A estimativa da Coomigasp (Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada) é que existam no local cerca de 50 toneladas de metais preciosos, entre ouro, platina e paládio. Estima-se que tudo vale aproximadamente R$ 3 bilhões.

Pelo menos 45 mil garimpeiros da Coomigasp devem trabalhar no local, em uma espécie de associação com a empresa canadense Colossus Minerals Inc., o que resultou na Serra Pelada Companhia de Desenvolvimento Mineral (SPCDM). Na divisão dos lucros, 75% fica com a empresa canadense e 25% é dividido entre os 45 mil trabalhadores.

Essa forma de partilha é questionada pelo Ministério Público de Belém, conforme destaca o promotor de Justiça Raimundo Coelho de Moraes.

”Se os trabalhadores vão receber apenas 25% do lucro auferido, descontado inclusive alguns custos, resta muito pouco para distribuir com 45 mil pessoas associadas da Coomigasp. Esse é um fator de insegurança e de risco no futuro. Nós entendemos que não há transparência suficiente para saber se essa divisão da distribuição foi legítima e correta.“

A representatividade da Coomigasp é questionada pelo Singasp  (Sindicato dos Garimpeiros de Serra Pelada) que diz que restará aos trabalhadores menos um décimo do lucro obtido.

Segundo Moraes, a exploração de Serra Pelada trará novamente mais degradação ambiental e aumentará os problemas sociais de Curionópolis, hoje com sete mil habitantes e sem serviços de energia elétrica, hospital público e água tratada para todos.

De São Paulo, da Radioagência NP, Aline Scarso.

06/04/10